Máscara como sex toy – X de Sexo


Por Carmen

Encontrei um antigo affair na casa de uma amiga em comum. Um breve respiro, apesar das máscaras – e é justamente sobre o lado sexy deste acessório obrigatório que quero te falar. Uma descoberta…

 

máscara
Crédito da foto Dainis Graveris/Unsplash

 

Vamos direto ao final do encontro, quando este amor mal resolvido fez questão de me levar até o portão da rua – pelas minhas contas, não nos víamos havia uns três anos. Um querendo saber um pouco mais do outro, o sorriso em comum saltando dos nossos olhos. De repente, ele me diz assim: “Ah, sem máscara, vai…”. E antes que eu pudesse me dar conta, retira a dele olhando para mim, depois solta uma tira da minha e me abraça fazendo um carinho gostoso no meu pescoço. De-mo-ra-da-men-te.

Perdi a noção do tempo, imagino que ficamos longos minutos ali. Ele mais relaxado que o habitual. Eu, automaticamente excitada, confesso aqui a você, considerando o frio na barriga de rever alguém por quem me apaixonaria novamente, e a fração de segundo em que me senti sendo despida, como se estivesse tirando uma peça de roupa íntima em uma primeira transa – sensação que ainda não havia experimentado com uma máscara de proteção!

O que se revelou ali, no entanto, foram dois sorrisos deliciosamente insinuantes, as bocas mordiscando uma pontinha de língua, este órgão tão amedrontado desde o início da pandemia (suspiro). Nos despedimos ali, com a promessa de marcarmos um café qualquer dia, quem sabe.

Cheguei em casa com aquela cena percorrendo todo o meu corpo. Tomei um banho, escolhi a playlist e comecei a me masturbar na sala. E meu amor chegou da rua na hora exata. A tempo de se surpreender com a recepção inesperada, me ver encharcada de tesão e embarcar na minha fantasia gentil ao pé do ouvido: “Ah, me fode usando a máscara, vai…”.

(Vale registrar: as regras do encontro, por conta do aniversário desta amiga, eram bem claras. Apenas um grupo dos dez mais chegados, todos ao menos com a primeira dose da vacina, teste rápido feito no dia do evento, programação de não mais que duas horas, ao ar livre. O novo normal pode ser estimulante, afinal!)

 

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro − um =