“Lagos” subterrâneos em Marte podem ser apenas barro



O burburinho recente sobre lagos de gelo subterrâneos detectados em Marte tem uma nova reviravolta. Um novo estudo publicado na Geophysical Research Letters sugere que esse lago não se trata de água congelada e sim de ‘barro’, mais precisamente, esmectitas, uma classe de argila. De acordo com os pesquisadores, os dados foram mal interpretados. 

A água em Marte é interessante para cientistas planetários e astrobiólogos por causa de sua importância para a vida. O planeta reteve água em sua história antiga, como no leito do lago seco que está sendo explorado pelo rover Perseverance, mas muitos têm esperança de que a água líquida ainda exista em quantidades significativas no Planeta Vermelho. 

“Eu realmente não acredito que a ideia do lago retenha água, então uma alternativa era necessária. As esmectitas são abundantes em Marte e amplamente estudadas por espectroscopia – técnica de medida científica para o estudo da matéria com sua interação com os diferentes componentes do espectro eletromagnético – mas têm sido negligenciadas principalmente pela comunidade de radar. Minha esperança é que possamos considerá-los mais plenamente no futuro e até mesmo revisitar alguns de nossos trabalhos anteriores à luz desses novos resultados”, disse Isaac Smith, cientista planetário da York University e principal autor do novo artigo, por e-mail.

Os dados em questão são do Mars Advanced Radar for Subsurface and Ionosphere Sounding (MARSIS) a bordo da nave espacial Mars Express da Agência Espacial Europeia. O equipamento de sondagem do radar detectou regiões muito brilhantes que indicavam uma substância subterrânea com maior condutividade elétrica do que a rocha ou gelo marciano, ambos abundantes no polo sul do planeta. Alguns pesquisadores acreditaram que era evidência de água abaixo da superfície congelada; outros achavam que as condições não eram adequadas.

A nova pesquisa segue outro artigo publicado no Geophysical Research Letters, que identificou um número maior desses pontos brilhantes de subsuperfície do que anteriormente encontrado. Essa descoberta indicava que o polo sul poderia ser salpicado de lagos subterrâneos; como disse o co-autor do estudo e cientista pesquisador da NASA Jeffrey Plaut em um comunicado à imprensa da NASA na época: “Ou a água líquida é comum abaixo do polo sul de Marte ou esses sinais indicam outra coisa”. O artigo recente sugere o último.

Aditya Khuller, um cientista planetário da Arizona State University, outro autor desse jornal, disse em um e-mail que os pontos brilhantes do radar “podem ser regiões contendo argilas ou materiais semelhantes que estão causando os reflexos brilhantes anteriormente interpretados como indicativos de um líquido componente da água… O trabalho de Smith et al. (2021) fornece uma estrutura experimental e teórica em apoio a este cenário”.

Houve imediatamente dois problemas com a ideia de que as estruturas do subsolo poderiam ser lagos de água líquida, como o novo artigo discutiu. O primeiro problema era o sal: ele reduz o ponto de derretimento da água, mas seria necessário muito mais sal do que o esperado em Marte no polo sul para ajudar a derreter o gelo. O segundo problema era o calor. Marte está muito frio; temperaturas médias de -62 graus, bem abaixo do ponto de congelamento da água.

Imagem: NASA / JPL-Caltech / University of Arizona / JHU

Um artigo de 2019 de uma equipe diferente postulou que as anomalias do calor local seriam necessárias para aquecer o gelo marciano o suficiente para formar água na área, com o magmatismo sendo a resposta mais provável se a água de fato estivesse abaixo do polo. Michael Sori, um cientista planetário da Purdue University que escreveu aquele artigo e não é afiliado ao novo, disse em um e-mail que “uma coisa que seria bom ver no futuro é que seus experimentos de laboratório fossem realizados em temperaturas mais baixas. Eles realizaram os experimentos a -44 graus, mas, como os autores admitem, essa temperatura é provavelmente muito quente para o fundo das camadas de gelo do sul marciano. ”

“Em última análise, não acho que a hipótese da água líquida foi completamente descartada, mas esses autores e outros na comunidade mostraram muito bem que existem possíveis explicações alternativas que precisam ser levadas muito a sério”, acrescentou Sori.

Foto: ESA / NASA / JPL-Caltech

 A prova disso está no polo sul, mas infelizmente não temos instrumentos que possam mergulhar neles agora. O orbitador Mars Express vem coletando dados da superfície há quase 20 anos, mas podemos exigir um exame mais direto para saber com certeza que a química subterrânea está acontecendo.

Assine a newsletter do Gizmodo

“Eu nunca descartaria líquidos na subsuperfície marciana, mas o instrumento MARSIS foi enviado para encontrar aquíferos, e este foi o melhor candidato em 18 anos”, disse Smith. “Todos adorariam encontrar água líquida, mas, infelizmente, não acho que vamos encontrar nenhuma com a instrumentação atual.”

 

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *