‘Cat People’, na Netflix, não é apenas sobre pessoas excêntricas e loucas por gatos – Gatices


“Cat People” não é sobre pessoas excêntricas que fazem festas de aniversário e músicas para seus felinos. Embora essas cenas apareçam na série documental da Netflix, a mensagem de amor que os seis episódios passam é bem mais profunda do que o estereótipo de louco dos gatos.

Nos dois primeiros capítulos, “Gato do gueto” e “Os gatos têm que continuar” (este, principalmente, uma tradução ruim para “The Cat Show Must Go On”), o espectador pode se deixar levar pelo elemento “gente doida”.

Afinal, logo no início, a série apresenta Moshow, um rapper que faz rimas para seus cinco gatos. Ele viralizou com o vídeo “Cat Bath Rap”, em que canta dentro de uma banheira com Ravioli, um devon rex que precisa tomar banho para não acumular oleosidade na pele, uma caraterística da raça.

Ouvir Moshow cantar “I’m sorry, I’ve gotta keep you clean, Ravioli, please don’t treat me mean” enquanto o bichinho mia assustado pode causar desconforto no público preocupado com o bem-estar do gato.

Além disso, o rapper abusa das roupas com estampas de felinos e coloca óculos-escuros e corrente dourada nos seus animais. Ele também já lançou quatro livros para colorir. Não precisa dizer qual é a temática.

Quando passa para o segundo episódio, o espectador vai ter um gostinho do que pode ser a deep web felina. Samantha Martin, uma treinadora de animais, se prepara para sair em turnê depois de meses parada por causa da pandemia da Covid-19. Sua trupe? Uma assistente de palco, uma diretora de cena, 16 gatos e uma galinha.

Com frango e atum, Samantha ensina os bichanos a andar em cima de uma bola, pular de um banco para o outro e deslizar num skate. Eles são os Amazing Acro-Cats.

O grande momento do show é a apresentação da The Rock Cats, uma banda formada por três gatos (piano, bateria e guitarra) e a galinha (pratos e pandeiro).

Samantha e Moshow são figuras bem conhecidas para os versados no universo felino. Mas quem não faz parte do clube dos gateiros pode se assustar.

Aliás, é no terceiro episódio, “Copigato”, que os não gateiros talvez parem de se perguntar: essas pessoas gostam mesmo desses bichos ou elas são só malucas?

É quando aparece a artista japonesa Sachi, criadora do Wakuneco. Ela faz esculturas hiper-realistas de gatos usando feltro e depois as emoldura.

Sachi prepara o busto de Miyu, gata das irmãs Chihiro e Yoko, que separam nove bigodes da bichinha para que sejam usados no trabalho. Então Sachi pede para que elas aguardem cair mais um fio para ficar equilibrado, cinco de cada lado.

“A peça vai ficar com a gente quando a Miyu não estiver mais aqui, então a ideia é que o espírito da Miyu passe para a obra de arte depois que ela de for”, diz Chihiro.

Bem, quem não guarda uma urna com as cinzas do gato em um altar pode julgar. Eu não posso.

Parece loucura, mas quem já perdeu um animal sabe que o luto é praticamente o mesmo de quando um parente muito próximo morre. Afinal, os bichos são parte da família também.

O amor entre gatos e humanos fica explícito a partir do quatro episódio, “Pata Amiga”. Nele são contadas as histórias de Sterling “Trapking” Davis, protetor e defensor da prática C.E.D. (captura, esterilização e devolução), e de Sarah Bergstein, que adotou Mister B., um gatão de 12 kg e com problemas de saúde que estava em uma ONG.

Sterling sofreu abusos na infância e, na solidão, acabou se conectando com os gatos. “Acho que faço resgates porque, antes, eles me resgataram. É uma bela troca”, diz.

Ele vive em van com a gata Damita e usa o veículo para apanhar os felinos, levá-los para castração e devolvê-los para o ambiente.

Sterling e Sarah se conheceram em um evento sobre gatos. Ela criou uma fundação para arrecadar dinheiro e dar para protetores. A primeira doação foi para amigo, conhecido como “rei da gatoeira”.

Em “Criaturinhas de Deus”, a dinamarquesa Joan Bowell e seu marido, Richard, deixam uma vida luxuosa para trás e decidem se mudar para a ilha de Syros, na Grécia, em busca de uma rotina mais pacata.

Lá eles se deparam com muitos gatos abandonados e decidem criar um santuário para os felinos. “Depois de resgatar uma vida, você quer resgatar outra”, admite Joan.

Com ajuda do veterinário local, o casal tenta conscientizar a população sobre a importância da castração.

No último episódio, “Gatowabunga!”, Kayla Tabish prepara o aniversário de dois anos Mavi, um bengal. “Ele é meu animal de assistência emocional, assim como os cães são para outras pessoas”, diz.

Kayla luta contra a depressão desde a adolescência. O pai e uma prima dela cometeram suicídio. “Ter o Mavi nesses momentos torna a vida mais razoável”, desabafa.

Ela leva o bichano quando precisa viajar de avião e também para passear. Mavi vai à praia e pega onda na prancha com marido de Kayla. É uma rotina bem diferente para um felino, mas é nítido que ele se diverte e não fica estressado.

No final da série, mesmo os humanos mais resistentes a essas bolinhas peludas e ronronentas já pegaram a “febre do gato”, como diz o rapper Moshow.

Siga o blog Gatices no TwitterInstagram Facebook.



Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

16 − um =